Poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen

Mensagem  Thiago Oliveira em Dom Abr 18, 2010 9:39 pm

Alguns poemas da poeta portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresem, poeta sensibiliíssima e genial na minha visão pessoal.

O Minotauro

Em Creta
Onde o Minotauro reina
Banhei-me no mar

Há uma rápida dança que se dança em frente de um toiro
Na antiquíssima juventude do dia
Nenhuma droga me embriagou me escondeu me protegeu
Só bebi retsina tendo derramado na terra a parte que pertence aos deuses

De Creta
Enfeitei-me de flores e mastiguei o amargo vivo das ervas
Para inteiramente acordada comungar a terra
De Creta
Beijei o chão como Ulisses
Caminhei na luz nua

Devastada era eu própria como a cidade em ruína
Que ninguém reconstruiu
Mas no sol dos meus pátios vazios
A fúria reina intacta
E penetra comigo no interior do mar
Porque pertenço à raça daqueles que mergulham de olhos abertos
E reconhecem o abismo pedra a pedra anémona a anémona flor a flor
E o mar de Creta por dentro é todo azul
Oferenda incrível de primordial alegria
Onde o sombrio Minotauro navega

Pinturas ondas colunas e planícies

Em Creta
Inteiramente acordada atravessei o dia
E caminhei no interior dos palácios veementes e vermelhos
palácios sucessivos e roucos
Onde se ergue o respirar da sussurrada treva
E nos fitam pupilas semi-azuis de penumbra e terror
Imanentes ao dia –
Caminhei no palácio dual de combate e confronto
Onde o Príncipe dos Lírios ergue os seus gestos matinais


nenhuma droga me embriagou me escondeu me protegeu
O Dionysos que dança comigo na vaga não se vende em nenhum mercado negro
Mas cresce como flor daqueles cujo ser
Sem cessar se busca e se perde e se desune e se reúne
E esta é a dança do ser

Em Creta
Os muros de tijolo da cidade minóica
São feitos com barro amassado com algas
E quando me virei para trás da minha sombra
Vi que era azul o sol que tocava o meu ombro

Em Creta onde o Minotauro reina atravessei e vaga
De olhos abertos inteiramente acordada
Sem drogas e sem filtro
Só vinho bebido em frente da solenidade das coisas –
Porque pertenço à raça daqueles que percorrem o labirinto,
Sem jamais perderem o fio de linho da palavra

Sophia de Mello Breyner Andresen

Ariadne em Naxos


Tu Teseu que abandonadas amadas
Junto de um mar inteiramente azul
Invocavam deixadas
No deserto fulgor de Junho e Sul


Junto de um mar azul de rochas negras
Porém Dionysos sacudiu
Seus cabelos azuis sobre os rochedos
Dionysos pantera surgiu

E pelo Deus tocado renasceu
Todo o fulgor de antigas primaveras
Onde serei ou fui por fim ser eu
Em ti que dilaceras


As Três Parcas

As três Parcas que tecem os errados
Caminhos onde a rir atraiçoamos
O puro tempo onde jamais chegamos
As três Parcas conhecem os maus fados.

Por nós elas esperam nos trocados
Caminhos onde cegos nos trocamos
Por alguém que não somos nem amamos
Mas que presos nos leva e dominados.

E nunca mais o doce vento aéreo
Nos levará ao mundo desejado
E nunca mais o rosto do mistério

Será o nosso rosto conquistado
Nem nos darão os deuses o império
Que à nossa espera tinham inventado.


Apollon Musagega

Eras o primeiro dia inteiro e puro
Banhando os horizontes de louvor.

Eras o espírito a falar em cada linha
Eras a madrugada em flor
Entre a brisa marinha.
Eras uma vela bebendo o vento dos espaços
Eras o gesto luminoso de dois braços

Abertos sem limite.
Eras a pureza e a força do mar
Eras o conhecimento pelo amor.

Sonho e presença
de uma vida florindo
Possuída suspensa.

Eras a medida suprema, o cânon eterno
Erguido puro, perfeito e harmonioso
No coração da vida e para além da vida
No coração dos ritmos secretos.

Dyonisos

O sabor do sol e da resina
E uma consciência múltipla e divina.

PAra mais ver AQUI e AQUI
avatar
Thiago Oliveira

Masculino Número de Mensagens : 822
Emprego/lazer : Educador/ estudante
Data de inscrição : 09/02/2008

Ver perfil do usuário http://ta-hiera.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen

Mensagem  Thiago Oliveira em Dom Abr 18, 2010 9:41 pm

Pessoal,

no site aparece uma lista de poemas dentre as quais um entitulado Procelária, que subentende-se como da Sophia, mas que na verdade é do Fernando Pessoa. Sendo assim, eu fico suspeitado de que é provável que alguns dos poemas da lista não sejam da Sophia, porém não careço de uma bibliografia suficiente pra apontar quais são e quais não. Fico meio frustrado, mas enfim. Postei aqui apenas os poemas em que pude reconhecer o estilo da poeta e que tinham alguma relevância. Em todo caso, os poemas são excelentes e merecem a leitura e aplauso de todos.

Atenciosamente:

Th.
avatar
Thiago Oliveira

Masculino Número de Mensagens : 822
Emprego/lazer : Educador/ estudante
Data de inscrição : 09/02/2008

Ver perfil do usuário http://ta-hiera.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen

Mensagem  filhotedelua em Seg Abr 19, 2010 1:29 pm

muito bom esse material, muito mesmo.
avatar
filhotedelua

Feminino Número de Mensagens : 206
Data de inscrição : 26/03/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen

Mensagem  filhotedelua em Seg Abr 19, 2010 1:39 pm

esse último de dionísio achei no livro dela por um link no scribd, tem uns versos a mais

Evohé Bakkhos

Evohé Deus que nos deste
A vida e o vinho
E nele os homens encontraram
O Sabor do sol e de resina
E uma consciência múltipla e divina.
avatar
filhotedelua

Feminino Número de Mensagens : 206
Data de inscrição : 26/03/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Sobre Retsina

Mensagem  Ricardo Mário Gonçalves em Seg Abr 19, 2010 3:10 pm

Esclareço que existe hoje na Grécia um excelente (e fortíssimo!) vinho chamado Retsina, assim chamado porque é misturado com gotas de resina de pinheiro. Degustá-lo lentamente enquanto contemplava o Mar Egeu foi um dos grandes prazeres que desfrutei durante minha viagem à mui amada Grécia. Very Happy

Ricardo Mário Gonçalves

Masculino Número de Mensagens : 139
Localização : São Paulo, SP
Emprego/lazer : Historiador
Data de inscrição : 06/07/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum