Relato de Viagem à Grécia (1)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Relato de Viagem à Grécia (1)

Mensagem  Alexandra em Ter Jan 15, 2008 7:42 pm

ATENAS E ILHAS GREGAS
Por: Regina e Márcio Atz

Quando primeiramente planejamos conhecer a Grécia e as Ilhas Gregas, pensávamos em passar alguns dias em Atenas e um par de semanas saltando de ilha em ilha, para conhecer aquelas que a gente ouve falar desde a infância, Mykonos, Santorini, Rhodes, Creta, Paros, Corfu, Hydra e outras que estudamos nas aulas de História, Geografia e Filosofia. Chegando em Atenas e no desenrolar da viagem a gente logo percebe que a coisa não é tão simples assim. Apesar de ser um país pequeno geograficamente se comparado ao Brasil, o sistema de transporte de ilha para ilha ou de região para região não ajuda muito esta mobilidade itinerante de quem quer conhecer um pouco de tudo em um espaço reduzido de tempo, então acabamos optando por reduzir o número de lugares a visitar e aproveitar melhor nossas férias.

ATENAS: Quando pensamos na Grécia sempre pensamos em Atenas. Obviamente é indispensável dedicar um tempo das férias para conhecer o berço da cultura e da democracia Ocidentais. Passeando pela Acrópoles e visitando alguns dos museus, a gente consegue visualizar a vida e o cotidiano das pessoas naquela época. Os objetos, estátuas e edificações falam muito e você às vezes se sente quase como que transportado no tempo, algo de mágico. Você passa a entender muito de nossa vida e da sociedade contemporânea observando os objetos e sinais deixados pelos gregos antigos. Contudo, dois ou três dias no máximo são mais do que suficientes para dar um giro pela capital grega. Como cidade contemporânea, Atenas é bastante congestionada, poluída e as pessoas no geral parecem não ter muita paciência com turistas. Fique com seus olhos bem abertos para batedores de carteira e bolsas, principalmente nos metrôs e áreas turísticas em geral. Deixe sempre documentos e valores bem guardados no cofre do hotel.

Em Atenas você pode se locomover com táxis, que geralmente não são muito caros. Sugerimos sempre negociar a tarifa antes, caso o taxista não tenha o taxímetro ligado, ou ainda utilizar o metrô, que com poucas linhas é muito fácil de entender e freqüentemente mais rápido do que o trânsito congestionado da cidade. Segue uma sugestão de roteiro para conhecer o indispensável: Comece o seu dia bem cedo, enquanto ainda é fresco, visitando a Acrópoles. Suba até lá caminhando, por todo o lado você vai ver construções e sinais do passado. É algo impressionante a sensação que se tem diante das edificações, a grandeza da civilização da época. Não deixe de visitar o museu junto da Acrópoles. Tem uma coleção interessantíssima de estátuas e objetos.

À medida que o dia for avançando, vai ficando insuportavelmente quente para se ficar exposto ao sol, aí sugerimos que você vá visitar o Museu Arqueológico Nacional. É realmente imperdível. Tome seu tempo, faça pequenas paradas para sentar e descansar, mas visite-o inteiro, observando os diferentes estágios de evolução da sociedade Helênica ao longo dos séculos. No final da tarde sugerimos que você passeie pelo bairro de PLAKA, caminhe por suas ruelas, observe a arquitetura - você vai encontrar ruínas dos antigos mercados e áreas comerciais da Grécia antiga. Plaka, além do comércio turístico abundante, é também o bairro boêmio, tem incontáveis cafés, restaurantes e bares para se passar uma noite muito agradável. Se você acertar na escolha do restaurante, pode jantar em um terraço ou na calçada com a vista impressionante da Acrópole toda iluminada, dominando a vasta cidade, mágico...

De modo geral podemos dizer que os preços são bastante razoáveis, e quanto menos turístico o lugar ou mais longe da alta temporada, passam a ser inclusive bastante baratos, até para nós Brasileiros, que andamos um pouco pobres com nosso Real desvalorizado...

É importante mencionar que existem regiões interessantíssimas na Grécia continental, principalmente para quem aprecia a história e cultura, tais como a Macedônia, a Grécia Central e o Peloponeso. Porém, ao planejar sua primeira viagem para a Grécia (pois quem vai a primeira, seguramente volta uma segunda, terceira ou mais…) não aspire conhecer tudo ou se deslocar muito, pois não vai ser possível.

ILHAS GREGAS: Interessante saber que a Grécia tem quase 6.000 ilhas, das quais somente umas 200 são habitadas. Elas estão divididas em regiões e diferem entre si em vários aspectos: topografia, vegetação, arquitetura, gastronomia, e até características culturais. São algumas delas: Ilhas Iônicas, Sarônicas, Cíclades, Dodecaneso, as do mar Egeu, e outras. O ideal é escolher uma região, e procurar conhecer algumas das ilhas dentro daquela região.

Para ir de Atenas até as ilhas você pode voar, usar um ferry ou um Aerofólio, que são barcos mais rápidos. Locomover-se de Atenas para as ilhas é muito fácil e o custo bastante razoável, de ilha para ilha dentro da mesma região também é bastante simples, mas as opções se resumem a barcos. São muito poucas as ofertas de vôo entre ilhas, com exceção das mais conhecidas. O que dificulta é quando você quer ir de uma região para outra, aí as freqüências de vôos e barcos se tornam um problema.

Em nossa primeira viagem para lá escolhemos explorar o Dodecaneso, nas costas da Turquia e decidimos conhecer as ilhas de Rhodes, Kos e Kalymnos. Voamos de Atenas para Rhodes. Rhodes é uma ilha bastante grande, e também o nome da maior cidade. A cidade antiga, toda cercada de muralhas, é impressionante. É considerada um dos melhores e mais bem conservados exemplos de cidade medieval ainda existentes no mundo, e também conta com belos exemplares da arquitetura bizantina, vestígios da presença turca na ilha, além de ruínas que datam do século 3 a.C.

Os restaurantes e o comércio são um caso à parte. Se você ficar pouco tempo por lá terá um sério dilema, o de escolher em quais você vai jantar, pois são tantos e tão aprazíveis que eleger um deles se torna um problema. Sugerimos que você mergulhe com total entrega na culinária Grega e nas delícias de suas "mezedes", petiscos típicos variados. Mantenha seu espírito receptivo para provar sabores novos e curtir verdadeiras experiências gastronômicas. Você vai gozar de momentos muito agradáveis ao som de Zorbas, tomando um bom vinho grego, em geral de ótima qualidade.

Rhodes tem praias muito agradáveis, e a melhor forma que encontramos de conhecer a ilha foi alugando um carro. Outra alternativa bastante utilizada pelos turistas que, além de econômica, é bastante prática, é alugar uma scooter. Ao sul de Rhodes você encontra Lindos, que foi um lugar com o qual nos identificamos muito: nossa idéia inicial era de passar o dia, mas acabamos ficando 4 dias nessa pequena cidade pitoresca de ruas estreitas e sinuosas onde os carros não são permitidos. Lindos tem praias com enseadas mágicas, águas tranqüilas, transparentes, e uma noite agradabilíssima. A cidadela de casinhas brancas rodeia os pés de um monte sobre o qual majestosamente estão as ruínas de uma Acrópole. Se ficar na cidade, você vai curtir uma noite maravilhosa em alguma "terraza" de restaurante, com a vista de toda a Acrópole iluminada. Daquelas experiências visuais que ficam marcadas na nossa mente pra sempre.

Após Rhodes, fomos até a ilha de Kalymnos, que gostamos de uma forma muito especial. Tem um fluxo turístico ainda muito pequeno, talvez por isto os nativos são especialmente agradáveis e simpáticos. Uma ilha para quem realmente busca tranqüilidade para relaxar e esquecer do cotidiano. Parece que até o sol se move com mais lentidão. Tem pouca história esta ilha, talvez por estar um pouco fora das rotas comerciais de antigamente e contar com pouca água potável. Kalymnos teve seu apogeu com a extração de esponjas marinhas na metade deste século. Hoje vive de algumas fazendas de piscicultura e do turismo sazonal. Aqui encontramos mais intocado o estilo de vida dos habitantes das ilhas, e vimos alguns dos pores de sol mais lindos de nossas vidas. Lugar de muita paz e tranqüilidade, boas praias, boa comida, bons vinhos e gente tremendamente amistosa. Indo para lá, não deixe de cruzar o canal e passar um dia na aprazível ilhota de Telendos, pra curtir as praias e relaxar bastante! .

Nas praias da Grécia você vai passar pouco trabalho. Em qualquer lugar você sempre vai encontrar guarda-sóis e confortáveis cadeiras para alugar. Só precisa mesmo levar o protetor solar.

Nossa experiência na Grécia superou qualquer expectativa que podíamos ter e fazemos algumas pequenas sugestões para quando você for planejar as suas férias por lá:

- Evite a altíssima temporada que é julho e agosto, porque nesta época a metade da população da Inglaterra e da Alemanha se muda para lá, inflacionando preços e congestionando praias, hotéis e restaurantes. Além disto, é extremamente quente nestes meses (acima dos 40°C), e freqüentemente as pessoas passam mal devido ao calor. Da mesma forma, evite épocas muito fora de temporada, pois muitos lugares fecham durante o inverno europeu. O ideal é de meados de abril a junho e de setembro a meados de novembro.

- Procure se informar antes de viajar: compre guias turísticos, pesquise na Web, e planeje o roteiro, pelo menos o início dele. Busque conhecer ilhas dentro de uma mesma região, o que vai facilitar muito sua viagem.

- Os preços são geralmente bastante acessíveis, e freqüentemente até baratos comparados ao que pagamos pra fazer turismo no Brasil, mas eles variam bastante dependendo da época do ano e da tradição turística do lugar.

- Dólar é bem aceito, cartões de crédito nem tanto, mas sugerimos sempre andar com a moeda local (dracma ou euro) pois os lugares menos turísticos não recebem dólares.

- Os gregos geralmente são simpáticos e com inglês você se vira bem. Muitos entendem um pouco de italiano e alemão também, e sempre reagem bem quando você demonstra tentar entender algumas palavras da língua deles, alguns rudimentos como "obrigado = efharistó", "por favor = parakaló" sempre são recebidos com muita simpatia.

- Se você não se sente muito seguro de explorar sozinho, existem muitas opções de cruzeiros e roteiros prontos, nos quais também se pode conhecer bastante.

Enfim, é um destino muito agradável, culturalmente rico, e com quase total garantia de tempo bom, pois raramente você vê uma nuvem nos céus azuis da Grécia. Os dias são quentes, bons para praia, a água é de uma transparência e uma cor turquesa inacreditáveis. As noites geralmente são frescas, e é bom ter algum agasalho à mão, pois a temperatura cai para uns 16-24 graus. Diminua o seu ritmo e prepare-se para relaxar barbaramente...
avatar
Alexandra
Administrador
Administrador

Feminino Número de Mensagens : 1071
Emprego/lazer : Psicologia, Letras e Artes
Data de inscrição : 15/01/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum